Exit II com Parede Niemeyer (Rotterdam Lounge), 2001
Dimenção / Dimension
145 m2 // [Exit II: 265 x 490 x 190 cm // Parede d
Categoria / Category
installation
Material / Materials
Aço inox, alumínio, borracha, fone de ouvido, cd player e espelho

A série EXIT foi criada em 1998 como uma instalação inicialmente intitulada Exit (Rotterdam Lounge). Cinco escadas utilizadas para embarque em aviões foram desenhadas em diferentes tamanhos e formatos para serem dispostas em um grande lounge. Do topo das escadas o visitante poderia ouvir uma peça sonora diante de painéis de espelhos que ocupariam o grande hall de um edifício na cidade de Rotterdam, Holanda. Devido à grande logistica implicada na ocupação do edifício de Rottedam a realizaçcão desta instalação tornou-se inviável. No entanto, o convite para participar da exposição coletiva Território Expandido no SESC Pompéia, em 1998, curada por Angélica de Morais, mostrou-se como o ambiente ideal para a confeção da primeira peça do projeto Rotterdam Lounge. Esta mostra teve como objetivo homenagear os indicados ao Prêmio Multicultural Estadão e caberia a cada artista convidado escolher seu homenageado. Assim, a primeira aparição de EXIT se deu como uma homenagem ao Sr Emanoel Araújo. Foi somente em sua segunda apresentação pública que EXIT ganhou seus atributos definitivos e se tornou EXIT I com Parede Niemeyer, ocasião em que, à convite de Tadeu Chiarelli, ocupou o grande salão do MAM-SP, durante o Panorama 99. Deslocando minha produção das questões formais mais pertinentes a minha geração e à anterior, Tadeu Chiarelli compreendeu a importância de contextualizar a obra no segmento A ARTE E AS (IR)REALIDADADES DO COTIDIANO, onde figurariam artistas tais como Ricardo Basbaum, Oriana Duare, Paula Trope entre outros, dedicados à questões além da forma e voltados a pensar à cidade a as relações com o outro. Esta obra marcou um momento importante na produção e abriu caminho para uma série de novas experiências que ampliavam o questionamento crítico, já presente no trabalho, acerca das contruções ideológicas presentes na arquitetura modernista brasileira, em especial, os partidos defendidos pela Escola Carioca a partir dos anos quarenta. A segunda versão desta série, EXIT II, foi realizada para a Bienal de Istambul, a convite da curadora Yuko Hasegawa. A partir de 1999 as duas obras foram expostas em diversos países, em instalações inéditas que conferiram ao trabalho caracterísiticas únicas. EXIT I e EXIT II com Parede Niemeyer pertencem a importantes coleções da França e de Portugal.


Egofugal. 7a Bienal Internacional de Istambul. Exit II: 265 x 490 x 190 cm // Parede de Espelho 120 x 450 cm]. Foto: © Kenji Morita


Egofugal. 7a Bienal Internacional de Istambul. Exit II: 265 x 490 x 190 cm // Parede de Espelho 120 x 450 cm]. Foto: © Kenji Morita


Exposição individual Entruckte Korper, Galerie Vostell, Berlin, Alemanha. 2002. Exit II com Cityscape. 166 m2. [Exit II: 265 x 490 x 190 cm // Cityscape 475 x 285 cm]. Fotomontagem: © Ana Maria Tavares


Coleção de Serralves: Obras Recentes. 2013. Exit II com Parede Niemeyer (Rotterdam Lounge) na Fundação de Serralves, Porto. Portugal. Instalação: 92 m2. [Exit II: 265 x 490 x 190 cm // Parede de Espelho 644 x 958 m2]. Foto: Filipe Braga © Fundação de Serralves





Jair Rafael at 6 pm, 1999, duração 16’. Edição de áudio de Eduardo Tibira e Concepção e Direção de Ana Maria Tavares